terça-feira, 3 de novembro de 2015

Ciro é o candidato da família, diz Cid


O ex-ministro disse que conversará com Dilma sobre defender que o PDT tenha candidato em 2018: o próprio irmão
   
 Entre os Ferreira Gomes, Ciro deve mesmo ser o candidato à presidência em 2018. Em entrevista publicada ontem pelo Blog do Moreno, do jornal O Globo, o ex-ministro da Educação e ex-governador do Ceará, Cid Gomes, disse que o irmão é o melhor nome da família para disputar o comando do Palácio do Planalto.
"Eu sei dos meus potenciais e das minhas limitações e conheço os dele. O futuro de lideranças do Brasil está muito aberto e essa abertura favorece coisa nova. Eu teria alguma vantagem nesse ponto, mas, por outro lado, a militância e o conhecimento que ele tem permitirão que alguns dos conceitos atribuídos a ele possam ser revistos", ponderou.
Oportunismo da oposiçãoQuestionado, então, se é possível esperar uma mudança no temperamento explosivo de Ciro Gomes, o ex-governador do Ceará argumentou que "boa parte era ímpeto da juventude" e que o irmão amadureceu nesse aspecto. Para Cid, no entanto, parte dessa fama foi fruto de oportunismo da oposição.
"O que marcou Ciro na campanha em 2002? Uma entrevista que ele deu em Salvador e tomou as dores contra uma agressão ao ACM, chamou o cara de burro. Isso é pecado capital? Não é. A outra foi fruto de provocação de um repórter querendo subestimar o papel dele e superestimar o papel da atriz Patrícia Pillar e ele fez uma declaração pouco feliz de que o papel dela era dormir com ele. O que é politicamente correto? Falar da boca para fora ou dar espaço no governo para mulheres como ninguém até hoje deu?", questionou Cid, defendendo o irmão.
PDTO ex-ministro da Educação da presidente Dilma Rousseff esclareceu, porém, que o PDT não sairá do governo para lançar candidatura própria. Segundo ele, o que está em jogo hoje é a preservação do mandato da petista. "Apesar de todo carinho, estamos pensando não por ela, mas pela defesa de um princípio democrático. Não dá para pensar que (com) popularidade baixa a solução é impeachment. O partido não tirou posição para daqui a dois anos, mas no curto prazo tem posição clara de defesa do mandato", ressaltou.
Cid disse que ainda pretende falar com Dilma sobre ter ido para outro partido e defender que o PDT lance candidatura até 2018. "Até lá, estamos dispostos a apoiar o governo. Quero dizer: 'A senhora conte conosco até quando achar que seja do seu interesse'", afirmou.
No dia 9 de agosto, o Diário do Nordeste já havia antecipado que Ciro estruturava a candidatura para as próximas eleições. A informação se confirmou um mês depois, em 16 de setembro, quando o próprio ex-ministro anunciou, durante a filiação ao PDT em Brasília, que seria pré-candidato pelo novo partido.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Petrobras anuncia revisão de reajustes no preço do gás

Após a disparada nas cotações do gás de cozinha – que subiram 84% para os distribuidores só este ano, dos quais 70% desde o início de junho ...