segunda-feira, 30 de novembro de 2015

Arinaldo Leal declara que não concorrerá a reeleição em Vila Nova


A principal razão, segundo ele, são as dificuldades de gestão ocasionadas pela falta de melhores repasses do Fundo de Participação dos Municípios, FPM.
O presidente da Associação Piauiense dos Municípios e prefeito de Vila Nova do Piauí, Arinaldo Leal (PSB), disse que não concorrerá à reeleição em 2016. A principal razão, segundo ele, são as dificuldades de gestão ocasionadas pela falta de melhores repasses do Fundo de Participação dos Municípios, FPM.
arinaldo-leal-entrevista-620x330
Arinaldo diz que não concorrerá reeleição em Vila Nova – Foto: Reprodução
Eu mesmo sou um dos muitos prefeitos que estão renunciando desse direito à reeleição. Nós fizemos uma pesquisa em Vila Nova do Piauí e temos 90% de aprovação, temos mais de 83% de preferência de voto e estou pensando seriamente em não ser candidato. A situação hoje é complicada e você tem que diminuir seu padrão administrativo. Nós já vínhamos há 15 anos sendo referência de administração e de repente você não ter aquele projeto que você construiu para sua administração, e complicado”, destacou Arinaldo Leal.
Sobre os repasses do FPM, ele lembrou que em 2015 vai ser menor do que em 2016, o que comprometerá mais ainda a administração das cidades. “Se em 2015, com uma inflação média de 16% ao ano, a situação já está ruim, imagine a nossa situação no próximo ano. Nós temos para julho do próximo ano um repasse extra de 1%, mas a situação, a médio prazo é muito delicada. Muitos colegas prefeitos que tem direito a reeleição já estão renunciando desse direito”, complementou o presidente.
De acordo com Arinaldo, o FUNDEB hoje em grande parte dos municípios não paga nem o magistério. “A gente tinha a obrigação de gastar 60%. Hoje, a gente gasta todo o dinheiro do FUNDEB e não paga. Hoje também a gente recebe R$ 10 mil para uma equipe do Programa de Saúde da Família, por exemplo, e paga em média R$ 17 mil reais. Isso mostra que realmente não tem como você manter tudo funcionando devidamente”, esclareceu.
Dados da Confederação dos Municípios apontam que no acumulado de 2015, o Fundo soma R$ 73,79 bilhões. No mesmo período do ano anterior, o repasse ficou em R$ 76,43 bilhões. Não foram adicionados nesses cálculos os repasses extras de janeiro de 2014 e 2015, nem os repasses extras de maio e outubro de 2015, conforme a equipe de estudos técnicos da CNM.
A tendência é que o FPM sofra ainda mais queda em 2016 depois de realizados os cálculos para a composição dos repasses, que considera as alterações na quantidade populacional, para chegar em um coeficiente de distribuição.
Fonte: Cidade Verde

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Matos defende piso de R$ 1,6 mil para agentes de saúde

A Comissão Especial sobre Remuneração dos Agentes Comunitários de Saúde (PEC 22/11) terá reunião, hoje (16), para discutir e votar o relatór...