quinta-feira, 2 de março de 2017

PERÍODO DA QUARESMA Peixes têm alta de até 66% em relação ao ano passado



No período da Semana Santa, a movimentação chega a subir 90% e já começa na própria segunda-feira do feriadão ( Foto: Natinho Rodrigues )

Clique para ampliar

Principal prato durante o período da Quaresma e das celebrações da Semana Santa, o peixe está mais caro que o verificado em igual período do ano passado, pós-Carnaval, no Mercado dos Peixes, em Fortaleza. A maior variação encontrada foi no Atum com 66% de aumento, seguida pelo Ariacó, Cavala inteira, Cioba, Dentão e Guiauba que apresentam diferenças de até 25%. Entre os produtos pesquisados, o único pescado que apresentou redução foi o Sirigado, de 21%, no local mais barato.

Na manhã de ontem, o movimento era intenso no Mercado dos Peixes com muitos visitantes locais e, também, turistas comprando peixes e camarões. O comerciante de Goiás, Amir Karan, 44, levou para casa 10 quilos e camarões do alto mar a R$ 90 o quilo. "O consumo será todo em família, vamos comer um quilo por semana", disse.

A nutricionista Fátima Castelo, 62, tem o hábito de ir toda semana e, sempre no mesmo box, compra seus peixes frescos. Na semana já decidiu o cardápio, Sirigado e camarões para a família toda. "Compro sempre o filé do Sirigado, também gosto de Salmão e bacalhau dificilmente eu compro", diz. A dona de casa, Sandra dos Santos, 40, aproveitou para comprar Tilápia para o almoço. Ela achou os preços bons .

Consumidores estrangeiros

A designer Patrícia Alkaary, 53, mora na Itália e veio passar dois meses em Fortaleza gosta muito de comer peixes pois avalia ser mais saudável. "Em casa ou no restaurante sempre opto por peixes". Em sua primeira visita ao mercado pesquisou bastante antes de comprar. "Em relação a Europa está mais caro. Lá, o camarão tipo exportação custa sete euros o quilo. Aqui está por R$ 70 o quilo em média.

A cubana Aimara Massip, dona de casa, 45, mudou-se há uma semana para Fortaleza e estava visitando o mercado pela segunda vez. Ela informou que achou muito boa a estrutura e organização do local.

"Só os preços que poderiam ser melhores", brincou. Na sacola, peixe para fazer ceviche e ainda ia comprar camarões. "Na Semana Santa pretendo comer peixes também e vou procurar por preços bons", sinalizou.

Divergência sobre alta

Para a Semana Santa é possível que haja um reajuste ainda não definido pelos comerciantes, que discordam em relação ao aumento. Alguns apostam em cerca de 15%. Mas há quem considere que venha a ocorrer elevação de até 35% e outros que acreditam que não haverá majoração. É o caso do atendente, Miguel Alves de Brito. Segundo ele, "para Páscoa o preço deve permanecer o mesmo porque chegam muitos peixes".

Segundo Brito, no período da Semana Santa a movimentação chega a subir 90% e já começa na própria segunda-feira do feriadão. "O pessoal aproveita para comer durante toda a semana e tem gente que compra para levar na viagem", comenta. Entre os tipos mais vendidos estão a Cioba, Cavala e Sirigado.

Já o proprietário César Bezerra afirma que é preciso dar uma segurada nos preços por conta da crise. "Se tiver aumento vai ser no máximo R$ 30 o quilo de alguns peixes que estão a R$ 25". Bezerra acrescenta que as vendas estão boas no momento. O funcionário de um box, Mauro Francisco, destaca que neste ano o valor ainda não subiu, mas na época da Páscoa deve ir de R$ 20 para R$ 27 o quilo de alguns peixes frescos como a Cioba, o Sirigado e a Carapitanga

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Matos defende piso de R$ 1,6 mil para agentes de saúde

A Comissão Especial sobre Remuneração dos Agentes Comunitários de Saúde (PEC 22/11) terá reunião, hoje (16), para discutir e votar o relatór...