quinta-feira, 2 de março de 2017

DILMA-TEMER' Odebrecht confirma caixa dois para chapa



O valor acertado para a campanha presidencial em 2014 foi de R$ 150 milhões, segundo o empresário




No depoimento, o delator citou encontro com a ex-presidente no México, ocasião em que lembrou a ela que os pagamentos estavam "contaminados" ( Foto: Reuters )


Brasília/ Curitiba. O executivo Marcelo Odebrecht, herdeiro e ex-presidente do grupo que leva seu sobrenome, disse ontem, em depoimento à Justiça Eleitoral, que 4/5 dos recursos destinados pela empresa para a campanha da chapa Dilma Rousseff-Michel Temer em 2014 tiveram como origem o caixa 2. Marcelo afirmou que a petista tinha dimensão da contribuição e dos pagamentos, também feitos por meio de caixa 2, ao então marqueteiro do PT, João Santana. A maior parte dos recursos dados ao marqueteiro era em espécie.

O valor acertado para a campanha presidencial da chapa foi de R$ 150 milhões. Deste total, disse, R$ 50 milhões eram uma contrapartida à votação da Medida Provisória do Refis, encaminhada ao Congresso em 2009, e que beneficiou a Braskem, controlada pela Odebrecht.

No depoimento, Marcelo citou um encontro com Dilma no México, ocasião em que lembrou a ela que os pagamentos feitos a Santana estavam "contaminados", uma vez que as offshores utilizadas por empresários do grupo serviam para pagamento de propina. O empreiteiro afirmou, que esse assunto era em geral tratado entre o ex-ministro Antonio Palocci e Santana.

O delator confirmou ter se encontrado com o presidente Michel Temer durante tratativas para a campanha eleitoral de 2014, mas negou ter acertado com o peemedebista um valor para a doação. Ele informou que não houve um pedido direto pelo então vice-presidente da República para a doação de R$ 10 milhões ao PMDB.

De acordo com o empresário, as tratativas para a doação foram feitas entre o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, e o executivo Cláudio Melo Filho. Em anexo de delação premiada que vazou em dezembro, Melo Filho, que é ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht, mencionou o jantar no Palácio do Jaburu no qual, segundo ele, Temer teria pedido pessoalmente "auxílio financeiro" ao empreiteiro, que se comprometeu com R$ 10 milhões. Ontem, Odebrecht disse que Temer não mencionou a doação.

Marcelo disse ainda que os executivos da empresa tinham relação com os Estados, enquanto Melo atuava dentro do Senado em contato com o atual presidente do partido, Romero Jucá (RR). Na Câmara, o contato era com Padilha - mas também foi mencionado o nome do ex-deputado Eduardo Cunha (RJ).

Protelação

Ontem, no Palácio do Planalto, o trabalho foi para que a ação que poderá cassar a chapa Dilma-Temer seja julgada só em 2018. Com isso, o atual presidente, se ao fim do processo acabar cassado, teria um mandato somente alguns meses menor do que o previsto. E, em vez de uma eleição indireta para a sucessão presidencial, a eleição de outubro seria antecipada.

Há em estudo também pelos advogados de Temer um pedido de nulidade de testemunhas, entre elas, Marcelo Odebrecht.

Funaro

O doleiro Lúcio Funaro pediu ontem à Procuradoria-Geral da República para prestar depoimento sobre a acusação de que teria entregue um envelope no escritório do amigo e ex-assessor de Temer, José Yunes, destinado ao ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha. A versão foi apresentada por Yunes e, segundo a defesa de Funaro, são "fatos manifestamente distorcidos".

Caberá ao procurador-geral da República, Rodrigo Janot, decidir se quer ouvir a versão de Funaro para o episódio.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

PREFEITO RAMILSON MORAES PARTICIPA E ACOMPANHA PERFURAÇÃO DE MAIS UM POÇO ARTESIANO, DESTA FEITA NA COMUNIDADE DE BARRA VERDE

Amaury Alencar O prefeito Ramilson Moraes, fez questão de visitar e acompanhar a perfuração de mais um Poço Artesiano. A comunidade...