segunda-feira, 17 de agosto de 2015

O progresso da crise



O progresso da crise

O choque a que estamos assistindo no Brasil hoje é um conflito de ódios selvagens que mal merece ser chamado de crise política
Há certos assuntos dos quais, mesmo sem entusiasmo, não dá para fugir. Eles estão de tal modo no cotidiano da sociedade, que é inútil tentar evitá-los. Assim, vou meter minha colher na crise por que passa o Brasil.
Numa democracia madura, o vitorioso nas eleições deve estender a mão aos vencidos. Não como uma rendição despropositada, mas numa perspectiva de construção do país. E cabe aos derrotados respeitar os vitoriosos, dar-lhes um tempo de tolerância para entender o que de fato pretendem.
Nas nossas eleições de 2014, nada disso ocorreu. Os vencedores exibiram sua arrogância triunfalista; os perdedores fizeram do rancor uma arma contra o resultado das urnas. Tinha que acabar havendo o choque a que estamos assistindo, um conflito de ódios selvagens que mal merece ser chamado de crise política.
A crise faz parte da natureza humana, ela é o motor do movimento. Sem ela, não há futuro. Tentar evitar a crise sistematicamente e a todo custo é um mal disfarçado projeto conservador. A espécie humana escolheu viver dinamicamente, em busca permanente de mudança e progresso. A crise nasce desse desejo, cada vez que superamos uma delas encontramos mais outra diante de nós. Temos que aprender a conviver com a crise.
Com Itamar, Fernando Henrique e Lula, vivemos uma era de ouro da nossa história republicana. Não só na consolidação da democracia e na estabilidade econômica, como também no take off socialna partida em direção a uma sociedade em que ninguém mais está condenado a ser o que sempre foi.
Ao longo dos mandatos dos três (nunca entendi por que não pertenciam ao mesmo partido), foram sendo estabelecidas sucessivamente as bases para uma revolução inédita no país — a revolução da mobilidade social, negação do velho patriarcalismo oligarca em que sempre vivemos, um regime de poucos escolhidos e iluminados, os únicos que sabem o que é bom ou ruim para o Brasil. A mobilidade social deu um novo sentido à vida do brasileiro.
O sonho começou a se desfazer no primeiro mandato de Dilma Roussef e se agravou com afirmações irresponsáveis e mentiras que os marqueteiros dos dois lados fizeram seus candidatos dizerem, durante a campanha do ano passado. Quando esta termina, sua primeira vítima é o próprio vencedor, que não sabe se sustenta a lorota ou se se empenha no que de fato julga ser necessário fazer.
Ao mesmo tempo que o governo é estigmatizado pelo fracasso da economia que se liquefaz na sopa fervente e amarga da inflação, do desemprego, da perda de poder aquisitivo da população, o país toma conhecimento das falcatruas petroleiras. Mesmo que a presidente não tenha nada a ver com esses escândalos (e parece mesmo que não tem), ela é simbolicamente responsável por aquilo que acontece sob sua responsabilidade.
Não adianta dizer que a mídia é golpista e que a oposição é de direita. A estarrecedora narrativa dos malfeitos na Petrobras revolta o mais ingênuo dos cidadãos. E não há como negá-los: de onde os “delatores premiados” tiram as fortunas que começam a devolver ao Ministério Público? Se os réus confirmam a existência dessas somas extraordinárias, pondo-as à disposição de seus juízes, como acreditar que isso tudo não passa de manipulação de inimigos inconformados?
Nesse momento, os vencedores deviam se tornar mais humildes e os vencidos mais generosos. Cada macaco no seu galho, a fazer o país avançar seu avanço permanente que nunca terá uma definitiva meta final. Avançar através do conflito democrático que não pretende eliminar os que pensam diferentemente de nós, em que cada discurso deve preservar a possibilidade de o outro ter razão.
Sem provas concretas de seus alegados crimes, Dilma não tem nada que aceitar seu impeachment e muito menos renunciar. Ela tem é a obrigação de governar, corrigir os erros cometidos e vencer seu inferno astral, evitando a velha perversão do regime de exceção (formal ou não), provocado sempre pelo tradicional voluntarismo machista latino-americano.
Em “O ódio à democracia”, Jacques Rancière diz que “deveríamos ver o sinal de uma constância cívica admirável no número elevado de eleitores que continuam a se mobilizar para escolher seus representantes (...). E a paixão democrática que incomoda tanto (...) é simplesmente o desejo de que a política signifique mais do que uma escolha entre oligarcas substituíveis”.
Conversar é indispensável à natureza humana. Mas, na política, a pregação de unidade só serve aos oligarcas, instalando a imobilidade no vazio confortável das ideias que mantêm os “substituíveis” atuantes e poderosos. A unidade é mais um mito conservador de rosto gentil, ela visa apenas deixar tudo como está por força de compromissos.
Todo mundo tem o direito de dizer o que quer para o Brasil. Mas não se pode desmoralizar as eleições universais, livres e diretas que, como dizia Benjamin Constant, são a fonte sagrada da democracia. O PT, hoje no governo, cometeu esse erro no passado, com sua estapafúrdia palavra de ordem “Fora FHC”; não é possível que as vítimas de ontem tentem agora repetir essa traição à democracia. Não se brinca com as decisões populares.
Cacá Diegues é cineasta
carlosdiegues@uol.com.br


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Prefeitura de Juazeiro do Norte abre processo seletivo com 222 vagas           0 12:07  ·  21.08.2017 /  atualizado  às 12:07  · 21.0...