quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

COM POSSIBILIDADE DE SER ONLINE MEC estuda realizar Enem em um único dia



Consulta pública foi disponibilizada pelo Ministério na internet para saber o que os estudantes preferem


00:00 · 19.01.2017

Os participantes do Exame Nacional do Ensino Médio tiveram as maiores médias em ciências humanas e suas tecnologias, com 533,5 pontos ( Foto: Reinaldo Jorge )

Brasília. O Ministério da Educação estuda a possibilidade de aplicar o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) em apenas um dia em 2017. O anúncio foi feito ontem, pelo ministro da Educação, Mendonça Filho, após aval dos técnicos do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep).

O MEC publicou na terça-feira uma consulta a estudantes, professores e especialistas para colher opiniões sobre possíveis mudanças no Enem. Na consulta, que ficará no ar até 10 de fevereiro, o MEC pergunta se deve ser mantido o atual formato de aplicação do exame (dois dias) ou um único dia; quais dias da semana o estudante prefere e o que acha da realização da prova em computador. "A gente precisa tomar uma decisão levando em consideração a opinião das pessoas", disse o ministro.

Mendonça explicou que a preocupação é com a garantia de que tecnicamente o Enem não perderá a qualidade por qualquer conveniência. Ele admitiu que financeiramente é mais barato realizar o exame em um único dia. Se o MEC optar pela aplicação em um dia, a prova poderá ter de 90 a 100 questões. "Nenhum conteúdo será desprezado", enfatizou.

Outra mudança anunciada pelo MEC é a utilização do Enem para o estudante conseguir a certificação do Ensino Médio, opção adotada por pouco mais de 1 milhão de estudantes jovens e adultos que fazem o antigo supletivo (hoje Enseja). A partir deste ano, esses estudantes terão de fazer um exame específico para conseguir a certificação. Eles, no entanto, não estarão impedidos de participar do Enem.

Com a divulgação das notas do Enem, o MEC informou também o calendário do Sistema de Seleção Unificado (Sisu). Os estudantes que procuram uma vaga no ensino superior poderão se inscrever de 24 a 27 de janeiro. Nesta edição, referente ao primeiro semestre, serão 238.397 vagas em 131 universidades e institutos.

Segundo o MEC, o número de vagas é 4,5% maior que o ofertado no primeiro semestre do ano passado. Cada candidato poderá fazer a inscrição na página do Sisu na internet em até duas opções de curso. A oferta é para estudantes que participaram do Enem e está condicionando aos que não zeraram redação.

Já as inscrições para o Prouni começam no dia 30 de janeiro e vão até 2 de fevereiro. O calendário do Fies será aberto oficialmente de 6 a 9 de fevereiro.

Os participantes do Enem em 2016 tiveram as maiores médias na área de ciências humanas e suas tecnologias, com 533,5 pontos. A segunda maior média foi na área de linguagens e códigos (520,5), seguido de matemática (489 5) e por último ciências da natureza, cuja média nacional ficou em 477,1.

Em redação, a nota média ficou entre 501 e 600 pontos e só 77 participantes conseguiram tirar nota máxima (1.000). Foram anuladas ou obtiveram nota zero em redação 291.806 provas, seja porque o estudante fugiu do tema (erro cometido por 46.974 participantes), por cópia do texto motivador (8.325) ou por ferir os direitos humanos (4.798).

No balanço divulgado ontem, o Ministério da Educação informou que a evolução média dos concluintes regulares (estudantes que concluíram o Ensino Médio em 2016) acompanhou o resultado dos últimos anos nas quatro áreas de avaliação, ficando com uma pontuação em torno de 450. "O desempenho em todas as áreas está estagnado, não conseguimos que os estudantes aprendam mais", avaliou Maria Inês Fini, presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep).

Eliminados

A maior nota do Enem foi em matemática (991,5 pontos) e a mais baixa em linguagens (287,5). Dos 8.630.306 inscritos para a prova no ano passado, 2.667.899 se ausentaram, o equivalente a 28,9% dos inscritos. No primeiro dia da prova, 3.942 (0,05%) inscritos foram eliminados e no segundo dia o número de eliminados subiu para 4.780 (0,06%). A maioria das eliminações no Enem, 44,5%, ocorreu porque o estudante deixou de marcar o tipo de prova ou não escreveu a fase exigida para validar o exame.

O maior número de notas zero no Enem 2016 foi em matemática, com 5.734, seguido de linguagens (3.862), ciências da natureza (3.109) e ciências humanas (1.804). A maioria das notas zero se deveu por não comparecimento no dia do exame ou por deixar a redação em branco (206.127).

Entre os participantes, 54.317 eram presos e neste grupo, 42.331 pediram o certificado de conclusão do Ensino Médio, mas só 6,7% conseguiram nota suficiente para passar no exame, de acordo com o MEC.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Matos defende piso de R$ 1,6 mil para agentes de saúde

A Comissão Especial sobre Remuneração dos Agentes Comunitários de Saúde (PEC 22/11) terá reunião, hoje (16), para discutir e votar o relatór...