terça-feira, 3 de janeiro de 2017

Feriados devem aquecer turismo regional no CE


DIAS ÚTEIS

Já a Fecomércio-SP estima que o varejo nacional irá deixar de ganhar R$ 10,5 bilhões nessas datas
   
Setor hoteleiro da Capital espera receber muitos turistas nos feriados deste ano, 
especialmente de cidades como Natal, João Pessoa e Recife ( Foto: José Leomar )
00:00 · 03.01.2017
Clique para ampliar
Fortaleza/São Paulo. Se o varejo já calcula o que deixará de ganhar neste ano por conta dos feriados, o trade turístico só tem o que comemorar. Em Fortaleza, serão 18 feriados municipais, estaduais e nacionais. Deste total, 12 cairão em dias úteis (contando com o Dia do Comerciário). A expectativa dos hotéis é de que venham para a Capital principalmente turistas nordestinos durante os dias de folga.
"Para o turismo da cidade, isso vai ser muito bom. Se houver um trabalho de divulgação bem feito, nós podemos atrair para Fortaleza um turismo muito regional e rodoviário, de cidades como Natal, Teresina, São Luís, João Pessoa e Recife. Isso vai dar um bom incremento na ocupação dos hotéis", projeta o presidente da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis no Ceará (Abih-CE), Eliseu Barros.
Já para o varejo, os dias de folga representam prejuízos. Os feriados nacionais deste ano deverão fazer com que o setor deixe de ganhar cerca de R$ 10,5 bilhões em todo o Brasil, de acordo com levantamento divulgado ontem (2) pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (Fecomércio-SP). O número é 2% maior que as perdas estimadas para 2016.
A diretora institucional da Fecomércio-CE, Cláudia Brilhante, endossa a opinião da entidade paulista. "Para os serviços, as vendas melhoram, com o aquecimento da atividade de hotéis, restaurantes e barracas de praia. Para as lojas (do varejo), os feriados afugentam as pessoas" , explica. "O feriado no meio da semana ele não atrapalha tanto, mas atrapalha, porque a quantidade de pessoas circulando é menor", acrescenta.
SegmentosSomente o setor de vestuário, tecidos e calçados deve deixar de ganhar cerca de R$ 1,1 bilhão com os feriados e "imprensados" de 2017, crescimento de 23% em relação ao passado 2016.
As outras atividades, em que estão incluídos segmentos como comércio de combustíveis, deve registrar queda de R$ 3,9 bilhões neste ano, 8% a menos que no ano passado e o único com variação negativa.
Já os setores ligados aos bens essenciais devem participar com pouco menos que 45% do total da perda neste ano. Segundo a Federação, o segmento de supermercados deve registrar prejuízos perto dos R$ 3 bilhões, 2% acima do estimado para 2016, enquanto o de farmácias e perfumarias tende a registrar perda de R$ 1,6 bilhão, 7% maior.
"Após dois anos de forte recessão econômica - com retrações de 3,8% em 2015 e de 3,5% em 2016 (estimada)- o número excessivo de feriados e suas 'pontes' (dias 'imprensados') deveria ser revisto, a fim de contribuir no aumento da produtividade da economia", argumenta a entidade, em nota.
'Excesso de proteção'De acordo com a Fecomércio-SP, os custos adicionais podem inviabilizar a opção de os estabelecimentos abrirem nos feriados, pois o comércio aumenta seus custos em 100% para operar nesses dias.
A federação paulista defende que, "em nome da modernização das relações trabalhistas, seria oportuno que essa questão fosse debatida, pois o excesso de proteção por meio dessa elevação de custos acaba prejudicando as empresas".

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Realizada em Campos Sales e Salitre, IV SEMANA DA MATEMÁTICA DA URCA

De 12 a 14 de dezembro, a unidade da URCA de Campos Sales, realizou a IV SEMANA DA MATEMÁTICA DA URCA, com o tema: A MATEMÁTIC...