terça-feira, 30 de maio de 2017

Deputados petistas querem acerto com o governador


00:00 · 30.05.2017 / atualizado às 00:35
A bancada do Partido dos Trabalhadores (PT) na Assembleia Legislativa quer maior aproximação e diálogo com o governador do Estado, Camilo Santana, do seu próprio partido. Os membros da agremiação se reuniram, recentemente, para definir alguns temas de interação entre eles e a gestão petista, visto que acreditam que algumas ações do chefe do Poder Executivo vão de encontro a ideias da legenda.
O partido quer marcar uma audiência com Camilo Santana para tratar, dentre outros assuntos, de mudança no texto da Proposta de Emenda à Constituição que trata de alteração no Art. 209 da Constituição Estadual, ao qual petistas são contrários.
O texto atual do artigo diz que "o Estado destinará recursos para constituição e manutenção do fundo destinado à aplicação em programas de financiamento ao setor produtivo, administrado financeiramente pela Secretaria da Fazenda, de acordo com o plano de desenvolvimento estadual, ficando assegurada a utilização de, no mínimo, 50 % do volume total de aportes em favor das micros, pequenas e médias empresas, assim definidas em Lei, sendo que 50% dos recursos deverão ser aplicados no interior do Estado". A proposta que se quer aprovar agora, segundo eles, vai na contramão dos ideais da legenda.
Conflitantes
De acordo com Manoel Santana, o Governo Camilo tem se notabilizado pelo "ecletismo" político, visto que diversos quadros técnicos, das mais variadas origens ideológicas, fazem parte de sua gestão. Segundo ele, por conta disso, muitas vezes, determinado ponto de vista se sobrepõe sobre os outros e surgem projetos conflitantes com as defesas do PT, como no caso desta PEC. "Essa PEC tem uma digital que não é do PT e nem do governador Camilo Santana", afirmou o parlamentar.
"O Governo Camilo é um Governo do PT, mas tem muitas disputas, e isso é muito claro para nós", disse o deputado Moisés Braz. Segundo ele, há medidas que vão ao encontro dos ideais petistas e outras são divergentes, por isso seria necessário uma maior unidade entre a bancada para tratar desses assuntos. "A gente apoia, defende, mas tem alguns pontos e projetos que são de interesse do PT que a gente quer discutir com ele, já que outros partidos da base já fazem isso também", afirmou.
O parlamentar também destacou que terá dificuldades em votar favorável à PEC, e isso já foi falado com o líder do Governo, Evandro Leitão (PDT).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Petrobras anuncia revisão de reajustes no preço do gás

Após a disparada nas cotações do gás de cozinha – que subiram 84% para os distribuidores só este ano, dos quais 70% desde o início de junho ...