terça-feira, 8 de dezembro de 2015

Médicos obrigados a “bater ponto” estão deixando os empregos


Uma decisão de Governo, posta em prática na Secretaria de Saúde, que obriga os médicos a registrarem digitalmente suas presenças nos locais de trabalho, já motivou pedidos de antecipação de aposentadorias e de demissões  no Hospital de Messejana e Hospital Geral de Fortaleza, além de impaciência em muitos outros, e críticas veementes à medida. A decisão do Governo e as suas consequências já ocorridas têm sido o centro das conversas na área médica.

Outra providência que desagrada a parte da classe médica é a exigência de comprovação dos serviços prestados por Cooperativas. Elas, hoje, são as responsáveis por inúmeros procedimentos, nas mais diversas áreas da Saúde, com elevado custo ao Estado. Há denúncias de que profissionais dessas Cooperativas, muitos servidores do Estado, deixam de produzir no seu horário de trabalho para o Estado, mas registram uma extensa relação de procedimentos como cooperados.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Matos defende piso de R$ 1,6 mil para agentes de saúde

A Comissão Especial sobre Remuneração dos Agentes Comunitários de Saúde (PEC 22/11) terá reunião, hoje (16), para discutir e votar o relatór...