sábado, 25 de fevereiro de 2017

Ginecologista dá dicas para cuidar da saúde íntima no carnaval


LUIZA POLLO - O ESTADO DE S.PAULO

Banheiros públicos, vida sexual mais ativa e calor pedem cuidados especiais





Roupas leves e soltas são opções melhores para evitar calor e umidade; protetores íntimos devem ser usados com cautela Foto: Pixabay


‘Escolha bem o parceiro’ ou ‘tome cuidado com quem você tem relações sexuais’ são conselhos que as mulheres escutam o tempo todo. Mas será que eles realmente fazem sentido? “Fica muito difícil trabalhar com essa abordagem, digamos, ‘moralista’”, defende a ginecologista Mariana Maldonado. “Como você classifica essa escolha? Afinal, as doenças não estão escritas na testa.”

LEIA TAMBÉM:
Cuidado com a doença do beijo: mononucleose é comum no carnaval
Saiba o que comer antes e depois do Carnaval

Como é quase impossível saber com certeza se o crush momentâneo de carnaval pode te passar uma DST, melhor se prevenir. “A questão não é confiar nele com você. Se aconteceu [de ele ser infectado] antes, você não tem como saber. Não dá para abrir mão da camisinha”, ressalta Mariana.


Por isso, o mais seguro é levar preservativos na bolsa. Aliás, a ginecologista sugere um kit básico para evitar doenças e infecções. Camisinhas, lenços de papel, lenços umedecidos e álcool em gel são essenciais para quem vai passar o dia inteiro fora de casa.



Banheiros públicos. O grande horror das festas ao ar livre costuma ser o banheiro. Seja o químico ou o do bar, nunca é seguro sentar no vaso sanitário público, alerta a ginecologista. “O que eu recomendo é evitar tocar as superfícies. Vamos exercitar um pouco o agachamento das coxas!”, brinca. “Há risco de contaminação pela água. Micoses, doenças de pele ou infecção bacteriana.”


Até mesmo o papel higiênico do banheiro público pode ter resquícios de água contaminada, então melhor usar seu próprio lencinho. Nessas horas, tem gente que prefere usar protetores íntimos para se sentir mais segura caso o papel acabe. No entanto, é preciso ter cuidado com o hábito. “Se você usa o protetor um dia ou outro, não tem problema. Mas, no clima úmido, adicionar mais uma camada - além da calcinha e do short ou calça - pode facilitar inflamações, alergias, ou até candidíase [infecção por fungo]”, esclarece.


Portanto, Mariana reitera que o kit básico faz diferença na bolsa. Você não precisa confiar que os banheiros terão papel e sabonete, e nem que a outra pessoa terá preservativos. Assim, fica mais garantido curtir o carnaval com menos riscos e com suas próprias regras.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Matos defende piso de R$ 1,6 mil para agentes de saúde

A Comissão Especial sobre Remuneração dos Agentes Comunitários de Saúde (PEC 22/11) terá reunião, hoje (16), para discutir e votar o relatór...