sábado, 25 de fevereiro de 2017

CÂNCER DE PULMÃO Nova terapia alvo traz esperança



O estilo de vida está relacionado ao surgimento do câncer de pulmão. Embora a principal causa seja o tabagismo, a doença também está ligada ao excesso de radiação, poluição, sedentarismo e até alimentação. Segundo o Instituto Nacional de Câncer (Inca), a cada ano, mais pessoas morrem de câncer de pulmão do que de câncer colorretal, de mama e de próstata combinados.

Dos tipos de câncer de pulmão, os principais são o de ‘pequenas células’ (de 10% a 15%) e o de ‘não pequenas células’ (85% a 90%). Este segundo grupo é o mais incidente e se divide em: adenocarcinoma (57% dos casos); carcinoma de células escamosas (30% dos casos); e o carcinoma de grandes células (responsável por 10 a 15% dos cânceres de pulmão).

Boa notícia

Terapia alvo é um novo tipo de tratamento do câncer que utiliza princípios ativos ou outras substâncias para identificar e atacar especificamente as células cancerígenas e provocar poucos danos às células normais. Os medicamentos alvo funcionam de forma diferente dos quimioterápicos convencionais, inclusive com efeitos colaterais menos graves.

A boa notícia é o lançamento de um mecanismo de ação que bloqueia de forma irreversível a multiplicação de células cancerígenas, uma esperança para os pacientes que buscam novas opções de tratamento. É o afatinibe (Giotrif®), da Boehring Ingelheim, indicado como primeira linha de tratamento para o câncer avançado e/ou metastático.

O princípio ativo é recomendado para os pacientes que sofrem com uma mutação que ocorre em 24% dos casos de adenocarcinomas (câncer de pulmão de ‘não pequenas células’, com mutações no receptor do fator de crescimento epidermóide) e que não foram tratados previamente com outros tipos de terapia alvo (medicamentos ou quimioterapia antes da metástase) ou progressão da doença.

“A chegada do medicamento traz uma opção sólida para os pacientes que buscam um tratamento com maior eficácia”, diz o Dr. Antonio Carlos Buzaid, oncologista e um dos fundadores do Instituto Vencer o Câncer.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Matos defende piso de R$ 1,6 mil para agentes de saúde

A Comissão Especial sobre Remuneração dos Agentes Comunitários de Saúde (PEC 22/11) terá reunião, hoje (16), para discutir e votar o relatór...