quinta-feira, 3 de agosto de 2017

Refis: 1,8 mil municípios e nove estados aderiram



Resultado frustrou as expectativas do governo, as quais tinham 3 mil adesões como meta prevista



Maioria dos municípios e estados que devem ao INSS não aderiu ao parcelamento de débitos tributários criado pela Receita Federal ( Foto: José Leomar )
01:00 · 03.08.2017

Brasília. Menos da metade dos municípios e estados que devem ao INSS aderiram ao Refis (parcelamento de débitos tributários) criado pela Receita Federal, cujo prazo terminou em 31 de julho. Mesmo com descontos de 80% nos juros e de 25% nas multas e pagamento em 200 prestações, apenas 1.873 municípios e nove estados pediram para entrar no programa, segundo balanço divulgado na tarde de ontem, 2, pelo órgão.

A expectativa era de que houvesse pelo menos 3 mil optantes, principalmente porque o programa foi negociado com os municípios e anunciado com pompa pelo presidente Michel Temer durante a Marcha dos Prefeitos em Brasília. A Receita Federal não informou o valor arrecadado com a iniciativa. A estimativa do governo era obter R$ 2,2 bilhões com o Refis de estados e municípios, dinheiro necessário para ajudar no cumprimento da meta fiscal deste ano, de déficit de R$ 139 bilhões.

O governo já considera inevitável mudar a meta para prever um rombo ainda maior, desde que não supere o resultado negativo de R$ 159,5 bilhões. Mais de 4,5 mil municípios poderiam se beneficiar do Refis criado pela Medida Provisória (MP) 778, segundo informou a Receita em maio, quando a medida foi enviada ao Congresso. As dívidas previdenciárias passíveis de parcelamento de Estados e municípios somavam R$ 90,136 bilhões.

Os entes que não regularizaram sua situação fiscal estão sujeitos a bloqueios em repasses de verbas, como o Fundo de Participação dos Municípios (FPM). Para muitas prefeituras, o FPM é a principal fonte de recursos.

CMN que prazo maior

A Confederação Nacional dos Municípios (CNM) ainda tenta dilatar o prazo de adesão ao programa no Congresso para evitar sanções. A MP ainda precisa ser votada pela comissão mista e pelos plenários da Câmara e do Senado, o que abre a possibilidade de mudanças. Mas o governo tem demonstrado que não pretende concordar com alterações nas medidas que permitem parcelamentos tributários.

Dos municípios que protocolaram requerimento de adesão ao Refis no prazo do governo, 1.341 estavam devedores e aderiram a novo parcelamento, enquanto os outros 532 municípios migraram de parcelamentos anteriores ou desistiram de eventuais questionamentos administrativos ou judiciais.

Repatriação

A Receita Federal informou também que 1.915 pessoas físicas e 20 empresas aderiram à segunda fase da repatriação de recursos ilegais no exterior. O órgão não informou o montante total arrecadado. A arrecadação bruta esperada a princípio era de R$ 12,7 bilhões, mas a baixa adesão fez com que o valor fosse revisado para R$ 2,85 bilhões .

A receita inferior à projetada foi um dos fatores que levaram o governo a elevar o PIS/Cofins sobre combustíveis para conseguir a manutenção da meta fiscal para o ano em um déficit de R$ 139 bilhões.

No ano passado, a Receita informou em um primeiro momento uma arrecadação de R$ 50,9 bilhões, mas uma semana depois revisou o resultado do programa para R$ 46,8 bilhões.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Família Aguiar Martins em Jantar de parabéns ao Deputado Agenor Ribeiro

No último final de semana, a família Aguiar Martins, participou de um almoço comemorativo, como Deputado Estadual, que representa o Cari...