quinta-feira, 22 de junho de 2017

Reúso e dessalinização de água são saídas para o Ceará



Apenas a Transposição do São Francisco deixou de ser a redenção para o Nordeste, no entender de estudiosos



Em janeiro último, o governador Camilo Santana visitou a maior usina de dessalinização do mundo, em Dubai, nos Emirados Árabes
00:00 · 22.06.2017 por Lêda Gonçalves - Repórter

A primeira suspensão da captação das águas do São Francisco, determinada pela Agência Nacional de Águas (ANA), nessa quarta-feira, na data que também se comemora o Dia do Rio, alerta que, diante da crise hídrica que assola principalmente o Semiárido nordestino e cearense, é preciso muito mais do que contar com a transposição ou com as chuvas, cada vez mais irregulares. O reúso de esgotos na produção agrícola para o Interior e a dessalinização para Fortaleza e sua Região Metropolitana são saídas, a médio prazo, para garantir o abastecimento, o funcionamento da indústria e a produção no campo.

Foi o que apontaram especialistas de diversas áreas, reunidos no 3º Simpósio Brasileiro de Recursos Naturais do Semiárido, realizado até hoje, no Centro de Ciências Agrárias, da Universidade Federal do Ceará (UFC).

"De acordo com a agência, chove abaixo da média na bacia do São Francisco há sete anos e devemos buscar outros meios para não só investir em obras estruturantes, como poços, adutoras, barragens, em gerenciamentos dos mananciais, como também aprender, de fato, a conviver com a seca", aponta o professor da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE), Abelardo Montenegro, doutor em recursos hídricos.

Segundo o especialista, a medida da ANA, em consonância com os integrantes do Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco (CBHSF) dos estados de Minas Gerais, Pernambuco, Bahia, Sergipe e Alagoas, tem exatamente esse olhar: o de preservar os estoques de água nos reservatórios da bacia do Velho Chico. A decisão de suspender as captações realizadas em corpos de água superficiais perenes de domínio da União acontecerá às quartas-feiras até novembro desse ano, quando está previsto o fim do período seco, mas poderá ser prorrogada caso atrase o início do período de chuvas na região. Ela inclui retiradas para todos os usos, inclusive perímetros de irrigação, mas exclui as captações para abastecimento humano e dessedentação animal.

Por isso, aponta Montenegro, a transposição não é mais da "redenção" do Nordeste. "A atual crise hídrica brasileira encara, fundamentalmente, dois obstáculos: a escassez e a qualidade do recurso hídrico. Por isso, é essencial pensar no controle das demandas e na oferta de água, muitas vezes de qualidade inferior para setores da economia como a agricultura irrigada, na produção de alimentos. Isso aliviaria, sem dúvida nenhuma, a pressão sobre utilizações mais nobres como abastecimento doméstico, humano e animal".

Além disso, ele cita o fortalecimento de políticas públicas. "As tecnologias estão aí para serem implementadas, muitas em caráter demonstrativo, mas em funcionamento, mas elas precisam ser apropriadas nas comunidades de usuários e isso requer capacitação, ações de educação ambiental e investimentos nas escolas rurais".

Algumas iniciativas no Ceará de agricultores familiares são destacadas no evento. Um exemplo vem de Canindé. Na comunidade de Iguaçu, o produtor Antônio Napoleão de Sousa Furtado desenvolve projeto de preservação ambiental e captação de água. "Sem a terra, não somos nada", afirma.

Matas ciliares

Napoleão mora nas proximidades da microbacia do Rio Cangati, onde é desenvolvido Projeto de Desenvolvimento das Reservas Hidro Ambientais (Prodham) e conta, de um jeito simples, que, com isso, a comunidade local está conseguindo recuperar matas ciliares, reduzir o processo de assoreamento em reservatórios; aumentando a umidade do solo e a produtividade relacionada a agricultura de sequeiro; além de incentivar, como essas iniciativas, a conscientização da população quanto ao uso sustentável e preservação dos recursos naturais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comissão de Educação debate mudanças no Fundeb

quinta-feira, 21 de setembro 2017 A Comissão de Educação da Assembleia Legislativa promove, hoje, às 14 horas, audiência pública para tratar...