quarta-feira, 4 de julho de 2018

Governo remaneja R$ 1 bilhão para emendas parlamentares. Cidades do CE beneficiadas POSTADO EM 4 DE JULHO DE 2018 POR REDAÇÃO CEARÁ AGORA 04 jul O Governo Federal decidiu acelerar a liberação de R$ 1 bilhão em recursos de emendas parlamentares. Os valores das emendas são variáveis e beneficiarão, também, cidades do Ceará. Às vésperas do início do período eleitoral, em que há restrições para o pagamento de emendas parlamentares e transferências voluntárias, o Ministério da Fazenda editou duas portarias que permitem uma aceleração desses desembolsos até a próxima sexta-feira, 6, último dia sem impedimentos para esses repasses. As medidas constam em edição extra do Diário Oficial da União (DOU) publicada na noite dessa terça-feira, 3. Uma das portarias remaneja o limite de pagamento das emendas individuais impositivas em R$ 1 bilhão, o que abre caminho para antecipar os repasses para junho e julho, mas sem alterar o máximo previsto para 2018, que é de R$ 8,77 bilhões. A outra eleva o limite de pagamento para a área da saúde em R$ 500 milhões. Dentro do calendário das eleições de 2018, está estabelecido que a partir de 7 de julho ficam proibidos os repasses de emendas e outras transferências voluntárias pela União a Estados e municípios, a não ser em casos de obras ou serviços já em execução e com cronograma prefixado, ou em situações de emergência ou calamidade. “Queremos pagar o que efetivamente pode ser pago até o início do período eleitoral”, disse o Ministro da Casa Civil, Carlos Marun. O ministro, que é o responsável pela articulação política entre o Palácio do Planalto e o Congresso Nacional, afirmou que há em sua mesa uma série de pedidos de repasses sob avaliação, e o objetivo é analisar o que está apto para o pagamento. Segundo Marun, os pleitos em condições de atendimento somam aproximadamente R$ 1 bilhão, justamente o valor remanejado para o desembolso de emendas individuais. O governo também corre para cumprir um acordo firmado com parlamentares e aprovar um projeto de lei que realoca recursos do Orçamento para a área da saúde. A proposta estava na pauta da sessão dessa terça-feira do Congresso Nacional, que acabou suspensa e remarcada para esta quarta-feira. São R$ 995,2 milhões retirados de dotações de emendas não impositivas para beneficiar outras ações, sendo R$ 730 milhões remanejados apenas para a saúde. O projeto é parte de um acordo firmado pelo governo para desobstruir os trabalhos da Comissão Mista de Orçamento (CMO), e a maior parcela dos recursos deve ser destinada a emendas de parlamentares, tanto da base quanto da oposição. Marun confirmou que a proposta vai contemplar o pagamento de algumas emendas, mas disse que outras ações do Ministério da Saúde também serão atendidas.



Governo remaneja R$ 1 bilhão para emendas parlamentares. Cidades do CE beneficiadas





O Governo Federal decidiu acelerar a liberação de R$ 1 bilhão em recursos de emendas parlamentares. Os valores das emendas são variáveis e beneficiarão, também, cidades do Ceará. Às vésperas do início do período eleitoral, em que há restrições para o pagamento de emendas parlamentares e transferências voluntárias, o Ministério da Fazenda editou duas portarias que permitem uma aceleração desses desembolsos até a próxima sexta-feira, 6, último dia sem impedimentos para esses repasses. As medidas constam em edição extra do Diário Oficial da União (DOU) publicada na noite dessa terça-feira, 3.

Uma das portarias remaneja o limite de pagamento das emendas individuais impositivas em R$ 1 bilhão, o que abre caminho para antecipar os repasses para junho e julho, mas sem alterar o máximo previsto para 2018, que é de R$ 8,77 bilhões. A outra eleva o limite de pagamento para a área da saúde em R$ 500 milhões.

Dentro do calendário das eleições de 2018, está estabelecido que a partir de 7 de julho ficam proibidos os repasses de emendas e outras transferências voluntárias pela União a Estados e municípios, a não ser em casos de obras ou serviços já em execução e com cronograma prefixado, ou em situações de emergência ou calamidade. “Queremos pagar o que efetivamente pode ser pago até o início do período eleitoral”, disse o Ministro da Casa Civil, Carlos Marun.

O ministro, que é o responsável pela articulação política entre o Palácio do Planalto e o Congresso Nacional, afirmou que há em sua mesa uma série de pedidos de repasses sob avaliação, e o objetivo é analisar o que está apto para o pagamento. Segundo Marun, os pleitos em condições de atendimento somam aproximadamente R$ 1 bilhão, justamente o valor remanejado para o desembolso de emendas individuais.

O governo também corre para cumprir um acordo firmado com parlamentares e aprovar um projeto de lei que realoca recursos do Orçamento para a área da saúde. A proposta estava na pauta da sessão dessa terça-feira do Congresso Nacional, que acabou suspensa e remarcada para esta quarta-feira. São R$ 995,2 milhões retirados de dotações de emendas não impositivas para beneficiar outras ações, sendo R$ 730 milhões remanejados apenas para a saúde.

O projeto é parte de um acordo firmado pelo governo para desobstruir os trabalhos da Comissão Mista de Orçamento (CMO), e a maior parcela dos recursos deve ser destinada a emendas de parlamentares, tanto da base quanto da oposição. Marun confirmou que a proposta vai contemplar o pagamento de algumas emendas, mas disse que outras ações do Ministério da Saúde também serão atendidas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Partidos devem deixar convenções para a última hora

Com costuras eleitorais ainda indefinidas, as legendas têm preferido deixar as convenções partidárias para a última hora. A três dias do iní...