quinta-feira, 5 de julho de 2018


Trabalhadores das empresas de transporte rodoviário realizaram paralisação na manhã desta quarta-feira, 4, bloqueando a saída de ônibus da Rodoviária Engenheiro João Thomé, em Fortaleza. O bloqueio continuou até o fim da manhã e dezenas de partidas tiveram atraso. Desde as 11h30min, porém, as saídas seguem normalizadas.

Foto: Edimar Soares/O POVO
%u200BEm assembleia realizada no pátio da rodoviária, %u200Ba categoria decidiu por greve em tempo indeterminado, que começa a partir deste sábado. As principais reivindicações estão relacionadas a benefícios e condições de trabalho dos profissionais.



A greve é motivada pela falta de acordo entre os sindicatos dos trabalhadores e das empresas, nos últimos três meses. Na última reunião de negociação, realizada no dia 15 de junho, as empresas propuseram reajuste salarial de 3% e aumento de R$ 0,50 no vale refeição e de R$ 10 na cesta básica.


O Sindicato dos Trabalhadores nas Empresas de Transporte Rodoviário de Passageiros Intermunicipal e Interestadual do Estado (Sinteti) denuncia que as empresas querem o fim da hora extra e do passe livre dos rodoviários, além de redução de três horas no horário de descanso.


Carlos Jefferson, presidente do Sinteti, explica que a categoria não aceitou a proposta de jornada reduzida para 24 horas semanais, o que implicaria em redução de até 50% no salário de parte dos profissionais e perda do vale refeição.


"Eles também estão se aproveitando de jovens aprendizes acima do percentual permitido. Usando de má fé, estão demitindo cobradores que ganham R$ 1.260 para contratar jovens que ganham R$ 583. Só uma empresa já demitiu, em junho, 18 cobradores", denuncia Carlos Jefferson.


Ele afirma que os profissionais do ramo estão sendo coagidos a assinar um termo aditivo concordando com mudanças impostas pelos empresários. "Quem não assina, perde desde os vales-refeição até o emprego", complementa.

No último dia 20, motoristas do transporte intermunicipal e interestadual cruzaram os braços em Fortaleza e Juazeiro do Norte.


"Infelizmente, por intransigência das empresas e do Governo - que foi notificado do impasse -, os usuários vão ser prejudicados. Nós não vamos fazer bloqueios, mas não vou entrar em detalhes sobre as estratégias de mobilização. Estamos tentando fazer com que os usuários não sejam prejudicados", adianta o presidente do Sinteti.

O POVO Online tentou contato com empresas e com o Sindicato das Empresas de Transporte Coletivo Intermunicipal e Interestadual do Ceará (Sinterônibus). Não teve, porém, as ligações atendidas, na tarde desta quarta-feira, 4.


fonte o Povo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

FPM: Segundo decêndio apresenta queda no repasse

As prefeituras recebem na quinta-feira, 20 de setembro, o 2º decêndio do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) que apresenta queda no r...